Cinema
A hora mágica

A hora mágica

O cinema costuma ter um lugar especial na vida das pessoas, aquela hora mágica em que a luz se apaga e a projeção inicia a possibilidade de vivenciar uma história, ficcional ou não. Quantos romances, por exemplo, não começaram numa sala de exibição? Por isso, é natural que muita gente tenha até uma ligação afetiva com esses locais. Localizado na Pajuçara, o Cine Sesi é um desses espaços “que moram no coração” do alagoano há pelo menos duas décadas – antes da inauguração do Cine Sesi, o local já abrigou outros dois cinemas – e constitui o último cinema de bairro de Alagoas, o que já é motivo de comemoração.

Esta semana, o Cine Sesi celebra mais um aniversário. Dá até para contar nos dedos, mas seis anos é, sem dúvida, um tempo considerável quando o assunto é a efetivação e a manutenção de um projeto dentro do mercado cultural brasileiro, especialmente quando se trata de Alagoas. No entanto, o Cine Sesi superou as dificuldades encontradas no caminho e vem cumprindo com fidelidade durante esse tempo sua proposta inicial: oferecer ao público alagoano um cinema de qualidade, exibindo filmes que, normalmente, não fazem parte do circuito comercial.

Predominante, público jovem compra ingressos para comemorar os seis anos de Cine Sesi (Fotos: Elayne Pontual)

Como parte integrante do Centro Cultural Sesi, o Cine Sesi realiza dois corujões especiais, abrindo as portas durante as noites de sexta-feira (01/06) e sábado (02), para comemorar mais um aniversário. A sala de cinema já exibiu mostras temáticas de diretores como Almodóvar e Bergman, além de longas-metragens como Cidadão Kane, de Orson Welles, considerado pela crítica o melhor filme de todos os tempos.

A cada edição do Corujão é assim: jovens e adultos apreciam filmes e interagem com os idealizadores das produções na sala de exibição e, mais curioso, a maratona atravessa a madrugada, o que justifica o nome dado ao projeto. Criado em 2007 para comemorar o aniversário de um ano de existência do Cine Sesi, o Corujão expressa também o êxito do Cine Sesi em audiovisual.

Comemorando cinco anos no mesmo dia em que o Cine Sesi chega aos seis, o evento costuma trazer sessão de filmes, atrações musicais e bate-papo com diretores e roteiristas, a exemplo de Selton Melo, Cláudio Assis e o alagoano Cacá Diegues, que já estiveram presentes em corujões passados. Na sexta-feira (01/06), o evento contará com a presença do diretor Beto Brant e do  ator Gustavo Machado, que lançam o filme “Eu receberia as piores notícias de seus lindos lábios”.

Além da sala de cinema, o Centro Cultural Sesi é composto por um teatro e espaço para mostras de artes visuais

O blog Graciliano on line entrevistou o coordenador do Cine Sesi, Marcos Sampaio, o homem que está à frente, desde o início, da inauguração do Cine Sesi. Boa parte do sucesso do projeto deve-se a ele, que se dedica a fazer da sala de exibição um dos principais pontos de encontro de cinéfilos e formadores de opinião na capital alagoana. Na entrevista a seguir, Marcos Sampaio fala sobre o aniversário do espaço, o sucesso do Corujão, a importância de incentivar a produção audiovisual em Alagoas e as novidades que, em breve, o público poderá conferir.

GRACILIANOO Cine Sesi celebra seis anos de existência. O saldo tem sido positivo, ou seja, a frequência do público é suficiente para garantir a continuidade do projeto por muitos anos?

MARCOS SAMPAIO – Um projeto como este em qualquer parte do Brasil necessita do subsídio, seja pelo patrocínio (vide o que ocorreu com o Belas Artes em São Paulo), ou um mantenedor, como o Sesi em Alagoas ou a Fundação Joaquim Nabuco em Recife. Isto é uma garantia da permanência deste projeto. O saldo é positivo à medida que contabilizamos a cada ano um aumento do fluxo de público. Podemos apostar que em pouco tempo o Cine Sesi venha a se tornar auto-sustentável, mantido o percentual de aumento de público registrado nos últimos anos.

O Corujão, que chega ao quinto ano, é uma ideia que deu certo, tanto que os ingressos são vendidos em poucas horas. A que você atribui o sucesso da iniciativa?

Quando surgiu, o Corujão trazia consigo a marca da novidade, do ineditismo em Maceió, o que naturalmente chama a atenção do público. O fato de que mesmo após mais de 25 edições o evento se mantenha atraente deve-se ao fato de buscar sempre a sua renovação, seja pela presença de diretores convidados, os shows, e fundamentalmente pela programação de filmes, que é nossa grande luta, a busca de filmes que o público sonha em assistir. Esta sintonia entre o desejo do público e nossa intenção em tornar isso possível talvez seja o segredo deste sucesso.

O público jovem é predominante na mostra, não é?

Sim. O fato de que é um evento que rompe a madrugada e exige certa resistência, faz do Corujão um evento com cerca de 80% a 90%, dependendo da edição, formado por jovens dos 16 aos 29 anos de idade. O que chama atenção é a rotatividade, embora tenhamos aqueles cinéfilos de carteirinha, parte do público se renova e temos percebido em algumas edições uma presença maior do público mais maduro. O fato de atrair tantos jovens é um estímulo, pois sempre digo brincando, que é aquela parcela da juventude que não perdemos para os shows de Arrocha ou a Suingueira.

O documentário é um gênero que não costuma ser muito popular no Brasil. No entanto, o Cine Sesi investe em mostras e é a única sala que garante a exibição de filmes de não-ficção. Por que?

Um gênero que vem ganhando em expressividade e com produções de alto nível é o Documentário, e talvez seja no Brasil que se realizem alguns dos melhores filmes produzidos no mundo. Se ainda não rivaliza com a ficção, a verdade é que o Doc tem ampliado seu público, e quando incorpora temas ou personagens ricos de história, como foi os filmes sobre Wilson Simonal e agora o Raul Seixas, acaba atraindo um público não acostumado aos documentários. O Cine Sesi, dentro de sua filosofia de trabalho tem que abrigar todos os gêneros do Bom Cinema abre espaço sempre ao Documentário, seja ele nacional ou local.

A ideia de trazer diretores e produtores dos filmes para debates tem alcançado os resultados esperados?

Com certeza, tanto junto ao público, como pela imprensa. Temos tido muita sorte, pois todos os diretores e atores convidados têm demonstrado uma simplicidade, sendo acessíveis e recebendo o carinho e o respeito do nosso público. A presença de um convidado aguça o debate e chama atenção para a programação do espaço.

O Cine Sesi sempre apoiou iniciativas ligadas à produção de audiovisual em Alagoas. Como você descreve esse movimento em torno de um cinema local?

Estamos no caminho certo. É claro que sonhamos com passos maiores e mais largos, mas o fato é que quebramos a inércia, superando a estagnação de anos, revelando a cada ano novos talentos. Estamos no segundo edital da Secult, o Sesi deve lançar novo edital para mais um curta-metragem, sem falar na ampliação dos espaços de exibição, muito importantes para visualizarmos o cinema produzido por aqui.

Você é um profissional que há décadas vem se dedicando ao audiovisual em Alagoas. Como e quando começou essa relação tão íntima com o cinema?

Minha paixão pelo cinema vem da infância, do Cine Fênix em Atalaia, das sessões da tarde na TV, em uma época em que se assistiam clássicos neste horário, desde musicais com Fred Astaire, comédias com Jerry Lewis, western com John Wayne, entre outros. Minha atuação profissional começa em 1990, quando sou contratado como gerente dos antigos Art Pajuçara, passando depois a gerente de promoções da empresa para a região nordeste, cuja sede ficava no Rio de Janeiro. Após um hiato de oito anos, em que trabalhei nas áreas de marketing, assessorias, ensinando em faculdades e até no governo federal, tive a oportunidade apresentar um projeto á direção do Sesi, cujo interesse em investir em cultura já existia, e dessa junção de propósitos ter surgido o Cine Sesi.

Quais as novidades que, em breve, o público verá no Cine Sesi?

Estamos propondo a direção a troca de nossas poltronas, algo que deve ocorrer em 2013. Quanto à programação temos intensificado algumas parcerias, como a Ufal, a Secult, a Imprensa Oficial Graciliano Ramos e o Coletivo Popfuzz, o que proporciona diversas oportunidades, como a vinda de convidados para nossos eventos. No dia 22 de junho realizaremos a 2ª Noite dos Malditos, que reúne filmes trash e bandas alternativas. Para julho teremos a 3ª Mostra Internacional de Filmes – Panorama Sesi. Até o final de ano ocorre a Mostra de Cinema Brasileiro e estamos na fase de estudos para um evento dirigido ao público infantil.

Todo cinéfilo tem dificuldade em fazer listas dos filmes preferidos, já que são muitos, mas vamos propor o desafio a você. Quais os 10 filmes que mais marcaram o coordenador do Cine Sesi e por que? 

Vou fazer a lista, mas em ordem aleatória, e vou deixar de fora, com certeza, outras dezenas de filmes que adoro.

1. Lavoura Arcaica

Sentimentos que vieram à tona, um filme sobre reencontros e impossibilidades.

2. O Poderoso Chefão I e II

Quando o cinema supera o livro que deu origem. Direção, fotografia, direção de arte e interpretações que beiram a perfeição.

3. Lanternas Vermelhas

Um encantamento à primeira vista. Outro olhar que me marcou pela estranheza e um universo cujas formas e cores surpreendem.

4. Abril Despedaçado

Se a crítica não foi favorável, problema dela, pois o filme me comoveu por sua aridez e suavidade combinadas.

5. Cidadão Kane

Uma fábula moderna, atual e intrigante. Um jogo permanente entre os limites da paixão e da ética.

6. Memórias do Cárcere

Quando o cinema encontra a fórmula certa para adaptar um livro que por si só já é um marco.

7. De Volta para o Futuro

A trilogia que me fascina até hoje por conter elementos que adoro: a viagem no tempo e um humor sempre presente.

8. Vinhas da Ira

John Ford radicaliza em um filme que expõem as mazelas de um sistema opressor e a dignidade dos que são oprimidos.

9. Meia Noite em Paris

Poderia citar filmes anteriores de Woody Allen, mas este por ser mais recente demonstra sua vitalidade e capacidade de falar de temas sempre presentes em suas obras, mas com originalidade.

10. Toy Story I, II e III

Para não deixar o gênero de fora, pois adoro animações, e esta é perfeita, pois uniu tecnologia e uma história universal sobre fraternidade, crescimento, perdas e ganhos.

SERVIÇO

O QUE: Sexto aniversário Cine Sesi e cinco anos de Corujão
ONDE:
Cine Sesi Pajuçara (Av. Dr. Antonio Gouveia, nº 1113)
QUANDO:
Sexta-feira (01/06) e sábado (02/06), das 23h às 6h
QUANTO: 
Inteira – R$ 24,00; Meia – R$ 12,00
MAIS INFORMAÇÕES:
(82) 3235-5191

Para conferir a programação completa acesse o site do Centro Cultural Sesi (clique aqui).

Compartilhe

Posts Relacionados

Responder

Seu e-mail não vai ser publicado. Required fields are marked *