Entrevista, Música
Geografia e ideias no som do Mundo Livre S/A

Geografia e ideias no som do Mundo Livre S/A

Em julho, Maceió terá a oportunidade de conferir os shows de duas bandas que revolucionaram o modo de se fazer música no Brasil: Mundo Livre S/A, com seu som globalizado, misturando o rock  com o maracatu de Pernambucano, e Titãs, que instaurou novos tempos para o rock brasileiro com o disco Cabeça Dinossauro. Os pernambucanos do Mundo Livre se apresentam amanhã (7/7) em Maceió em um show com presenças mais que especiais: Wado, banda Sifrão e DJ Ivo Schelb.

Com o troféu de melhor banda em mãos – dado a eles no 23º Prêmio da Música Brasileira–, o quinteto desembarca em Maceió para apresentar o disco ainda inédito no Estado, Novas Lendas da Etnia Toshi Babaa. Nele, as letras de Fred 04 trazem uma síntese de sarcasmo e inteligência e discutem os mais diversos temas, sempre acompanhadas de um hit dançante, como na canção O velho James Browse já dizia, que você confere no clipe abaixo.

A relevância de Fred 04 para a cultura brasileira é sabida por todos. Foi ele, junto a Chico Science e outros, que fundou o mais importante movimento da música nos últimos anos. Nascia, há 20 anos, o primeiro manifesto do manguebeat, os caranguejos com cérebro. De lá pra cá, foram  oito discos lançados. O primeiro, Esquema Samba Noise, foi aclamado por muitos como o disco da geração 90.

Nesse novo disco, mesmo cantando “ Interatividade é assim mesmo/A vida é pra compartilhar e gozar“, Fred é contra a disponibilidade gratuita de seus álbuns. “Por uma questão de sustentabilidade da cadeia produtiva, defendemos o download (ou streaming) pago”, explica Fred. Por isso mesmo, a Mundo Livre S/A criou uma estratégia de divulgação do novo trabalho em seu site (http://www.mundolivresa.com/). É possível ouvir o álbum, mas você só conseguirá baixar três faixas dele.

Líder da Mundo Livre S/A, Fred 04 é um dos fundadores do movimento mangue beat

“No dia que a gente conseguir ter um disco todo financiado com renúncia fiscal, lei de incentivo (dinheiro do contribuinte, enfim), lógico que nos sentiremos obrigados a disponibilizar tudo gratuitamente. Mas até hoje isso nunca aconteceu”, diz o líder do quinteto.

Mesmo que você nunca tenho ouvido Mundo Livre, mas adora o trabalho de Mestre Ambrósio, DJ Dolores e Sheik Tosado, saiba de uma coisa: eles devem muito a Fred 04. E foi com ele que o blog Graciano Online conversou. Confira a entrevista abaixo.

GRACILIANO- Você já afirmou que este é o trabalho mais maduro já feito pela Mundo Livre S/A. O que ele tem de diferente dos outros?

FRED 04– Acho que é o disco que tem as canções mais redondas, bem resolvidas em termos de harmonia, arranjos, timbres, etc.

Nas canções do novo disco, você fala sobre interatividade, compartilhamento. Este é o papel da música, refletir sobre as coisas do seu tempo?

Os compositores brasileiros, em todos os tempos, souberam refletir sobre as mudanças na sociedade. Acho que essa é mesmo uma das funções da canção popular. No caso desse disco, a gente reforça um conceito já consolidado em nossa linguagem: dançar, remexer, mas sem esquecer a reflexão!

Quais as referências musicais contidas neste disco?

Um pouco do “sunshine sound” da Flórida (anos 70), samba-jazz, frevo, Azymuth, João Donato, Giorgio Moroder, Vinicius de Moraes e, lógico, Jorge Ben…

Como é possível definir o som de vocês?

Garagesambatrransmachine!!!

O Estado de Pernambuco foi muito bem representado na 23ª edição do Prêmio da Música Brasileira. Lá estavam vocês, o Lula Queiroga, Herbert Lucena, Dominguinhos etc. O que a música feita em Pernambuco tem de especial?

Somos uma cidade estuário, aberta a todo tipo de influência, mas impregnada com essa geografia fluida, água salobra, doce e salgada, dejeto e berçário ao mesmo tempo…Caranguejos com cérebro!

Vocês venceram na categoria melhor grupo Pop/ rock/ reggae/ hiphop/ funk. Com este prêmio, o que muda no dia a dia da banda? A agenda muda? Os convites para aparecer na mídia aumentam?

Espero que sim. A cadeia produtiva da música, no geral, é um desafio. Antes, na era da indústria fonográfica, os jovens com talento musical tinham que ralar muito pra consegui um lugar ao sol, isso é verdade. Mas às vezes tenho impressão que agora, na era da internética, todo mundo parece se conformar com uma realidade mais igualitária, todo mundo no mesmo lugar, quase sempre sombrio e nem um pouco ensolarado…

No site da Mundo Livre S/A, é possível ouvir todas as músicas do novo cd, mas só é possível baixar 3 canções. Como a banda está lidando com a pirataria na internet?

No dia que a gente conseguir ter um disco todo financiado com renúncia fiscal, lei de incentivo (dinheiro do contribuinte, enfim), lógico que nos sentiremos obrigados a disponibilizar tudo gratuitamente. Mas até hoje isso nunca aconteceu. Tiramos quase tudo do nosso bolso. Por uma questão de sustentabilidade da cadeia produtiva, defendemos o download (ou streaming) pago.

Caetano Veloso disponibilizou recentemente toda a discografia dele para ser ouvida na internet. Você pensa em pôr em prática alguma ação parecida?

Reforço o que disse na resposta anterior. Ou se paga, ou se assume que a música tende a se restringir a um caráter cada vez mais amador…

 

O QUÊ: show Mundo Livre S/A
ONDE: Loop Lounge Club (rua Prof. Maria Esther da Costa Barros, 320, Stella Maris)
QUANDO: sábado (7/7), a partir das 22h
VALOR: R$ 30,00 (preço sujeito à alteração de acordo com o fluxo da casa, conforme site da Loop)
ONDE COMPRAR: Folia Brasil (G Barbosa Stella Maris)
CONTATO LOOP: (82) 8876.2664 / 3327.8700

Compartilhe

Posts Relacionados

Um Comentário

  1. Zuza Zapata

    28 março 2013 at 14:19

    Achei essa postagem enquanto procurava assuntos relacionados ao Mundo Livre S/A. Muito boa!
    Abraço,
    Zuza Zapata
    http://www.zuzazapata.com.br

    Reply

Responder

Seu e-mail não vai ser publicado. Required fields are marked *