Culinária
Os sonhos do Rei do Suspiro

Os sonhos do Rei do Suspiro

Era uma manhã de sol e mormaço em Maceió, como tantas outras. Luiz Eudes Floripes da Silva acordou cedo naquele sábado para realizar a entrega de uma encomenda de suspiro no bairro da Pajuçara. Antes de sair de casa, despediu-se da sua mulher e tomou em seus braços uma caixa repleta dos quitutes. Situada a poucos metros de sua residência, Luiz não tardou a chegar à feirinha, próxima a Praça Lions.

Ele aproximou-se de uma das barraquinhas e entregou a mercadoria ao feirante. Cansado, Luiz pediu um refrigerante e enquanto bebia observou uma menina, de uns 6 anos, que comprou um dos pacotes trazidos por ele. A menina sentou à mesa e devorou, com gosto, todos os suspiros. Não satisfeita, pediu outro saquinho.

Após observar aquela cena, disse a si mesmo: “Esse suspiro deve ser mesmo muito bom”. De volta a sua casa, falou para a esposa sobre a tal garota que viu logo cedo. Tinha sido uma injeção de ânimo que precisava para investir no negócio. “Porque antes eu não botava muita fé”, revela Luiz.

“Sabe quando alguém chega a você, sem esperar, e dá um presente que lhe deixa feliz o dia todo? Então, para mim, aquele dia, foi um dia bom, eu recebi um presente. Eu fiquei alegre, raciocinei bem, pensei que o negócio era uma coisa muito boa. Por que antes disso, as pessoas falavam negativo para mim. Que não dava dinheiro. Que os doces davam pra sobreviver, mas não era bom. E nesse dia foi como uma luz que surgiu no fim do túnel. Uma luz que clareou a minha mente. Eu fiquei feliz. E agora eu só paro de vender quando Deus me tirar da terra. Porque hoje tá na minha alma, no meu espirito, na minha mente, que o negócio é algo bom”, conta ele.

Em agosto, fará 18 anos que Luiz Eudes trabalha exclusivamente com a venda de suspiros.

Segredo
O sucesso de Luiz como vendedor deve-se também ao talento de sua mulher, Marlene Calixto dos Santos, que prepara os suspiros cujo sabor costuma agradar aos fregueses. “Ela não gosta muito de conversar. É da produção”, justifica Luiz, quando o repórter da Graciliano pede para entrevistá-la. Casados há 18 anos, eles se conheceram na época em que participavam da Comunidade Eclesial de Base – grupos de fiéis católicos que promovem a leitura bíblica.

Dona Marlene aprendeu a fazer os quitutes num antigo emprego. Curiosa, tratou de ficar de olho quando a cozinheira ia prepará-los. E não foi difícil aprender a receita. Simples, resume-se aos seguintes ingredientes: limão, clara de ovo e açúcar. No início, a maior parte do trabalho concentrava-se na batida manual dos ovos. Conforme conta Luiz, esse era o momento mais cansativo do preparo, pois durava cerca de duas horas.

suspiro2

De receita simples, os suspiros são feitos com limão, clara de ovo e açúcar (Foto: Reprodução)

Produziram assim até o casal descobrir que era possível usar a batedeira industrial, economizando tempo e esforço físico. Não a utilizaram  no início devido a um mito que dizia que se o suspiro fosse preparado dessa maneira a massa esquentaria em excesso, o que prejudicaria o sabor.

“Só depois descobrimos que podíamos usar esse recurso. E com os anos a gente foi aperfeiçoando a receita. Hoje, o suspiro se tornou conhecido no Brasil e no mundo como o melhor de Alagoas. Isso aconteceu porque ele foi sendo aprimorado. Todo mundo faz suspiro, mas do jeito que nos fazemos é difícil. Usamos ingredientes novos, matéria-prima boa, de primeira. É por isso que sai um suspiro muito bom”, avalia.

Terno
Nascido no município de Mata Grande, Luiz mudou-se ainda jovem para a capital. Na época, tinha o desejo de seguir a carreira religiosa. Por conta disso, o Seminário Arquidiocesano de Maceió custeou seus estudos no extinto Colégio Guido e no Colégio Marista. Nesse último, concluiu o ensino médio. Na década de 1970, conciliou o trabalho como professor de Educação Religiosa e a graduação no curso de Direito pelo Cesmac.

Anos após receber o diploma, abriu uma corretora de imóveis e de planos de saúde chamada Alagoana, que ficava próxima à praça Sergipe, no Farol. Naquele tempo, comprou os primeiros ternos, que ele guardou até fechar a empresa e investir na venda de suspiros. “Aí deixei de usar, perdi até o costume”, confessa. A partir de então, o seu antigo “uniforme” foi substituído por tênis, bermuda e camisa.

Certo dia, enquanto vendia numa galeria na Pajuçara, um homem que fazia a segurança do local lhe abordou e disse: “Era melhor que o senhor vestisse uma camisa branca, uma gravata e uma calça preta”. Até aquele momento Luiz jamais havia cogitado tal alternativa. Como não possuía a grana suficiente para comprar os trajes, o colega lançou uma proposta generosa: “Por 15 reais, faço pra você três camisas de cor branca”. Sem titubear, barganhou: “Divide em três vezes?”

Para completar a vestimenta, pediu a um amigo que comprasse no cartão de crédito uma calça social de cor preta e uma gravata. Ele topou. “Quando passei a usar essa roupa, as pessoas me elogiaram muito. Fiquei mais ou menos um ano repetindo essas peças, até que pensei: “Rapaz, acho que se eu botar um terno vai ficar ainda melhor. Como não tinha dinheiro para comprar, comecei alugando. E deu certo”.

reinovo3

O uso do terno deu ao Rei do Suspiro a repercussão que precisava para o negócio deslanchar de vez (Fotos: Francisco Ribeiro)

Daí em diante, Luiz foi ganhando certa notoriedade. Por onde andava, as pessoas lhe parabenizavam, e pediam para tirar fotos. “Foi ali que começou a vida do terno”. Contudo, ele só conseguiu juntar dinheiro para comprar a própria vestimenta um ano depois. “Eu fiquei com aquela alegria de fazer o trabalho com o meu terno. Tive uma felicidade muito grande”, diz.

Atualmente, contabiliza 16 ternos. “Graças a Deus, não preciso comprar mais. Porque as pessoas me patrocinam as vestes. Elas dizem: ‘Você está tão bonito. Parabéns!’. E respondo: Se você tiver um que não esteja na validade para você, estará para mim. Então tem muitas pessoas que me dão ternos. Hoje elas me perguntam: ‘Você quer um, aceita um?’ Tem gente que me envia pelo correio de Salvador, Natal, Aracaju”, afirma.

Luiz conta que, além dos elogios, muitos fregueses sugerem que ele volte a trabalhar de short, tênis, camisa. “As pessoas comentam: ‘Meu Deus você vai morrer nesse calor’, ‘Tem um ar-condicionado aí dentro, é moço?’  Mas é costume. Nosso corpo se acostuma com o frio, o calor… com tudo. Quando reclamamos, nós ficamos fadigados, nervosos. A temperatura parece aumentar. Mas se permanecermos calmos, tranquilos, de repente, surge um ventinho, aí diminui o calor. Isso serve para todas as pessoas, todos os ramos de negócios: se nos acalmarmos, a gente vê uma luz no fim do túnel. É preciso ter calma para poder receber a luz”, filosofa. Ao ser questionado sobre a possibilidade de usar roupas mais leves, o ex-corretor de imóveis é enfático: “Eu não quero, não”.

Com a repercussão do seu trabalho, ganhou aos poucos uma freguesia fiel. No entanto, Luiz faz questão de ressaltar as dificuldades enfrentadas no início. “Fui pegando a trilha da facilidade com a experiência, porque no começo era muito difícil. Principalmente por ser um ramo novo para mim. Na época o acesso aos locais era complicado. Muitas vezes não tinha abertura para trabalhar nos restaurantes. Hoje, graças a Deus, sou uma exceção nos restaurantes e colega dos proprietários. Meu lema é: ‘o covarde nunca começa, o perdedor nunca termina e o vencedor nunca desiste'”.

“Agora, eu fiz a minha parte”, observa ele, revelando o segredo: “Usei o calor humano, cumprimentava as pessoas, dava brindes. Isso foi abrindo os caminhos. Porque somos carentes de amor, de Deus. Precisamos olhar nos olhos, dar um bom dia bem dado. Quem entende isso se dá bem na vida. A simplicidade abre as portas. Se você for uma pessoa humilde as pessoas lhe recebem. Agora se você for pé duro, pedante, ríspido, aí elas se afastam de você.”

reinovo1

Luiz Eudes exibe com orgulho as matérias sobre ele e os prêmios que já recebeu

Tanto deu certo que, além de vender nos restaurantes da orla de Maceió, ele possui entrada livre em alguns edifícios. “De uns tempos pra cá, a clientela vem aumentando muito e minha mulher já não consegue dar conta da quantidade de pedidos. Vendemos tudo o que produzimos tamanha é a procura”, diz. Rio de Janeiro, São Paulo, Sergipe e até Minas Gerais são alguns dos estados que já encomendaram seus quitutes.

“Todo vendedor é aparência, sorriso e elogio”, defende Luiz Eudes, ao passo que explica o porquê do título de Rei do Suspiro. “Vestido de terno, as pessoas começaram a dizer: ‘Ah, você é o Rei do Suspiro’. Elas que me apelidaram assim, não foi eu. Aí chegou um momento que pensei: se estão se referindo a mim dessa forma, então eu sou. Assumi essa posição. E se você for na internet colocar: ‘O Rei do Suspiro’ Eu vou aparecer lá. Hoje eu tenho até imitadores. Quando passei a usar terno foi uma febre”.

Sonhos
Prestes a completar 60 anos, o Rei do Suspiro confessa que ainda mantém alguns sonhos: a publicação de um livro de receitas de sobremesas feitas com suspiro, o desejo que um dos seus quatro filhos  dê continuidade ao negócio da família e formar-se em Psicologia. “Tentei três vezes o vestibular para Psicologia na Ufal, mas não fui aprovado. Eu sou muito apaixonado pela área. Qualquer dia, quando tiver mais equilibrado no suspiro e com o negócio andando com as próprias pernas, irei tentar novamente. Eu quero morrer sendo psicólogo”, diz ele, que já aprendeu a receita do sucesso.

Compartilhe

Posts Relacionados

32 Comentários

  1. H. Schwartz

    28 março 2013 at 10:47

    Linda a história de vida deste homem!
    Bela matéria, Francisco!
    Tudo do melhor para este senhor que adoça nossas vidas!

    Reply

  2. Caio Lui

    28 março 2013 at 15:08

    Muito legal a história do Rei do Suspiro.
    Sempre tive curiosidade, parabéns a equipe 😀

    Reply

  3. José Luiz

    28 março 2013 at 15:29

    Tão hiumilde que não diz que é bacharel em direito! Foi meu colega de faculdade.

    Reply

  4. Ugo Neiva

    28 março 2013 at 16:18

    O conheci em 2005 ja usando o terno, simpático e com muita fibra, batalhador, dava pra perceber, espero que muito mais sucesso ainda venha, porque merece.

    Reply

  5. Fernanda

    28 março 2013 at 16:46

    Parabéns! Matéria brilhante!

    Como é bom poder conhecer a história do outro, para compreender os desafios superados.

    Reply

  6. josivaldo júlio de oliveira

    28 março 2013 at 16:46

    São pessoas simples que precisamos para moralizar nossa sociedade, esse homem tem um espirito de empreendedor, visão, evolutivo. Sua historia poderia ser diferente de uma pessoa de posses e passando a ser uma pessoa decadente. Mais soube sair de um fracaso e hoje passa a ser uma pessoa respeitavel.
    Parabéns seu Luiz tenha sempre Deus como seu orientador e vai enfrente.

    Reply

  7. Elaine Brandão

    28 março 2013 at 16:58

    Toda docura dos suspiros volte para vocês em forma de muito amor, saúde e paz. Parabéns!!!

    Reply

  8. Mauro Wedson Severino dos Santos

    28 março 2013 at 18:19

    Parabéns, entrevista emocionantes, como são os relatos dos grandes vencedores.

    Reply

  9. Zu Guimarães

    28 março 2013 at 18:30

    Eudes, orgulho de todos nós, seus amigos da Turma de 1978 do Colégio Marista de Maceió.
    Sucesso sempre, Rei!

    Reply

  10. Daniel Malta

    28 março 2013 at 18:39

    Parabéns Luiz,

    Você um grande batalhador da Vida, lembro de menino que até no circo em Mata Grande voce fazia suas apresentações do Poder da Mente, incrível nós meninos ficavámos maravilhados com aquilo. Quando o vejo pelas Ruas de Maceió, logo me vem a lembrança da querida Mata Grande e a Força do Setanejo. Esteja com Deus! Força!

    Reply

  11. Marcia Donila

    28 março 2013 at 18:44

    Uma lição de vida! as dificuldade foram feita pra ser vencidas.Parabéns Senhor Luiz!!

    Reply

  12. ROBERTO ALVIM

    28 março 2013 at 19:09

    O SR. LUIZ JÁ É UMA FIGURA MUITO CONHECIDA POR TODOS QUE PASSEAMOS PELA ORLA DE MACEIÓ,EU QUERO DECLARAR O MEU ORGULHO DE SER VENDEDOR,POR TER PESSOAS COMO O SR.LUIZ EUDES FAZENDO PARTE DA NOSSA PROFISSÃO,MUITO GRATO SR.LUIZ PELO SEU BOM EXEMPLO,QUE É UM VENDEDOR POR EXCELÊNCIA.

    Reply

  13. Jennifer Sampaio

    28 março 2013 at 19:35

    Parabéns pela matéria Francisco! Sempre é bom conhecermos a história de brasileiros, que diante de tantas dificuldades conseguem dar a volta por cima e nos mostrar que é possível quando se tem persistência. Sabemos que não é fácil, mas tantos desistem no meio do caminho!

    Reply

    • Francisco Ribeiro

      23 maio 2013 at 23:28

      Obrigado, Jennifer.
      É muito bacana receber esse retorno dos leitores.
      Abraço.

      Reply

  14. Nivaldo Santos Ferreira

    28 março 2013 at 19:51

    A humildade, sem subserviência; a vontade de vencer e a hontadez, são características das pessoas abençoadas por Deus, parabéns.

    Reply

  15. Edjane

    28 março 2013 at 19:55

    Linda sua história , essa é uma lição de vida que nos mostra que nunca poderemos desistir dos nossos sonhos e espero que um dos seus filhos dê continuidade ao seu trabalho.Meus parabéns!!!

    Reply

  16. Suelen

    28 março 2013 at 20:06

    Gostamos muito do trabalho dle eu e meu esposo… apareça mais vezes la na
    Estacio Fal do Jaragua!
    Queremos suspiros e broas!!
    parabenss! sucesso!

    Reply

  17. Manoel luiz

    28 março 2013 at 20:37

    Terno só devia ser usado por pessoas de bem,ou como esse humilde trabalhador.Mas nós vemos é ladrões engravatados.

    Reply

  18. Andreza

    28 março 2013 at 20:52

    Parabéns pelo sua trabalho e da sua esposa pelo companheirismo e persistência. A verdade é NUNCA DESISTE DOS SONHOS, tudo de bom e muito sucesso para o casal.

    Reply

  19. Danielle

    28 março 2013 at 20:53

    Isso é uma lição de vida muito bonita Parabéns que Deus lhe abençoe sempre!!!!

    Reply

  20. ANTONIO ARECIPPO NETO

    28 março 2013 at 21:11

    PARABENS PELA MATÉRIA. GRANDE EXEMPLO DE VIDA PARA ESTA E FUTURAS GERAÇÕES. A SOCIEDADE ALAGOANA PRECISA APOIAR UMA INICIATIVA EMPRESARIAL DESTE PORTE. UM HOMEM SIMPLES, MAS QUE ESTUDOU, FORMANDO-SE EM DIREITO E NA LABUTA DIÁRIA COM A VENDA DE SEUS PRODUTOS DE FABRICAÇÃO PRÓPRIA. MAIS UMA VEZ, PARABENS COLEGA LUIZ.

    Reply

  21. Fabrício Cândido

    28 março 2013 at 22:24

    Parabéns e que Deus te abençoe e
    seja sempre perseverante e batalhador como sempre foi.

    Reply

  22. Luiz Carlos Barros

    28 março 2013 at 23:07

    Conheci o Eudes em 1979 no Colégio Guido, onde ele lecionava a Disciplina de Educação Religiosa, me orgulho de conhecer esse batalhador sem fronteiras, sucessoooooo

    Reply

  23. Lúcia

    29 março 2013 at 1:26

    Ao Francisco, parabéns pela bela matéria e a certeza do grande profissional da comunicação que nossa comunidade terá, que Deus ilume e abra o seu caminho rumo ao sucesso. Ao Sr. Luiz parabéns, felicidades e que possas realizar todos os sonhos que foram citados na matéria e outros.
    Sr.Luiz a beleza do seu profissionalismo está na sua simplicidade/humildade, o que infelizmente muitos não têm, por isto´é que Deus te ajuda. Que o senhor continue sendo esta pessoa maravilhosa e que os jovens possam se espelhar na sua história de vida.PARABÉNS!!!

    Reply

  24. José Albuquerque

    29 março 2013 at 6:29

    Parabéns ao jornalista pela brilhante matéria, assim como eu tenho certeza que muita gente tinha curiosidade de conhecer sua história e que história de vida. Que Deus lhe dê muita saúde sr. Luiz,

    Reply

  25. HAMILTON

    29 março 2013 at 7:22

    O PROFESSOR EUDES, COMO ERA CONHECIDO LECIONOU RELIGIÃO NO GINÁSIO OLAVO
    BILAC, SITO NA RUA JOÃO PESSOA, ANTIGA RUA DO SOL, PESSOA ÍNTEGRA, MUITO HUMILDE
    TIVE O PRAZER DE SER SEU ALUNO, ELE ERA IGUAL AO VENDEDOR DE HOJE, SEM MALDADE E MODESTO, SE ELE ME VER RECONHECE, COM CERTEZA, POIS UMA VEZ CHEGUEI A FALAR COM ELE. AGORA PROFESSOR EUDES, TENHO UMA DICA PARA O SR., O SEU PRODUTO É DE PRIMEIRA, E O SR., JÁ TEM NOME COMO FALOU NO BRASIL E PARTE DO MUNDO, SÓ PRECISA DE UM APOIO DE UMA PESSOA DO BEM, COMO O SR. E PARTIR PARA UMA PRODUÇÃO DIGAMOS ASSIM, INDÚSTRIAL, ENTRANDO NOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS, SEM PERDER A ESSENCIA DO SABOR NATURAL, IRÁ ATENDER UM ÍNDICE MAIOR DE CONSUMIDORES, PODENDO ATÉ EXPORTAR PARA FORA DO ESTADO E PAÍS, NA EMBALAGEM, UMA DICA, UMA FOTO SUA DE TERNO. UM NOME QUITUTE DO REI, NÃO PODE SER OUTRO. O SUCESSO COM CERTEZA SERÁ GARANTIDO. BOA SORTE E DEUS O ABENÇOE.

    Reply

  26. Clifton

    29 março 2013 at 7:53

    Sr. Eudes,

    Como está escrito no Salmo 125 versículo 1 “Aqueles que confiam no Senhor são como o monte Sião, que não pode ser abalado, mas permanece para sempre.” Siga em frente e que Deus te abençoe.

    Reply

  27. Beatriz Calixto floripes

    1 maio 2013 at 14:50

    Meu Pai Querido Pai ,Meu Grande Exemplo Meu Orgulho! Parabéns Francisco Que Deus Te Traga Muito Sucesso >PARABÉNS PAINHO- MEU REI

    Reply

  28. Marco Aurelio

    30 março 2016 at 23:09

    O Brasil necessita de muitos Luiz Eudes.

    Reply

Responder

Seu e-mail não vai ser publicado. Required fields are marked *