Artes Visuais
O pastiche na obra de Marta Emília

O pastiche na obra de Marta Emília

Muito antes de pensar em utilizá-lo como matéria-prima de seu trabalho, o plástico já encantava a artista visual alagoana Marta Emília. “Essas possibilidades que o plástico tem de substituir os outros materiais sempre me atraiu muito. Lembro, lá nos anos 70, das louças goyanas, cheias de cor e estampas, chegando para ‘tomar lugar’ das louças de vidro”, diz a artista.

Todo mundo tem, em algum cômodo da casa – ou em todos os cômodos – um objeto feito de plástico. Luminárias no quarto, lixeiras na cozinha, potinhos no banheiro ou enfeites na sala, os utensílios feitos com esse material tomam conta das prateleiras e da nossa vida. Talvez por desempenhar a função dos mesmos objetos feitos com outros materiais, só que de forma mais acessível, já que costuma ser bem mais barato. 

Foi da união entre a forma como os objetos de plástico eram empilhados nas lojas de festa e o desejo da artista de trabalhar com outro tipo de matéria-prima que surgiu a exposição Plastiche, que abre na noite desta quinta-feira (21), na Pinacoteca Universitária, no Espaço Cultural da Ufal.

Plastiche, segundo a artista, é uma brincadeira com a união das palavras plástico, pastiche e fetiche. Pastiche é um termo utilizado para definir uma obra em que o artista imita abertamente o estilo de outro, confundindo-se muitas vezes com a falta de originalidade, a cópia.

Em Plastiche, Marta Emília utiliza objetos de festa em acrílico supercoloridos – pratos, copos, talheres – na criação de 60 esculturas que, segundo ela, são inspiradas em seu trabalho de longa data: painéis de colagens onde utiliza recortes de papéis pintados com tinta acrílica, colados sobre uma base rígida, como o mdf.

“A ideia surgiu também do desejo de dar outra dimensão às minhas obras bidimensionais”, alega a artista, que diz ter sido um desafio utilizar o plástico. “Plastiche é a ‘pastichização’ da minha própria obra, já que, nela, há a reprodução das formas que trabalho nos painéis. Além de o plástico, com essa possibilidade de copiar objetos feitos com outros materiais, ser, por si só, um pastiche”, explica Marta.

A artista visual Marta Emília apresenta sua obra Plastiche (Foto: Janayna Ávila)

A artista visual Marta Emília apresenta sua obra Plastiche (Foto: Ricardo Lêdo)

Dividida em duas seções, Plastiche, que tem curadoria de Henrique Gomes, apresentará, na primeira delas, 10 painéis de colagens, técnica utilizada pela artista há algum tempo e já conhecida por muitos alagoanos. A maioria dos painéis expostos foram denominados com citações e trechos de letras de músicas brasileiras, principalmente da época do Tropicalismo, como “Minha carne é de Carnaval”, trecho da canção dos Novos Baianos e “Lusamérica latim e cor”, alusão à música de Caetano Veloso “Lusamérica latim em pó”.

“As referências musicais vêm naturalmente. Passo muito tempo sozinha no ateliê e, para distrair, ligo o som e coloco alguns CDs, geralmente os mais antigos, então sempre acabo relacionando a obra com algo que estava ouvindo”, diz a artista.

Detalhe de um dos dez painéis que serão expostos (Foto: Janayna Ávila)

Detalhe de um dos dez painéis que serão expostos (Foto: Ricardo Lêdo)

Na outra seção, que abrigará a obra que dá nome à exposição, os visitantes também irão ver uma espécie de painel interativo com 150 broches, denominados pela artista de Adornos Autônomos. Os broches coloridos foram feitos para que os visitantes se enfeitem, produzam autorretratos e, consequentemente, postem nas redes sociais. Para isso, foi criada a tag #expoplastiche.

“Hoje em dia tiramos fotos de tudo, o tempo todo, para postar nas redes sociais. Essa criação de um enorme banco de imagens virtual me atrai. Então essa é uma forma de unir essa tecnologia e ter o visitante como um reprodutor da obra, já que a fotografia feita será uma obra dele”.

Com os visitantes interagindo com o painel, retirando e recolocando os adornos, a ideia é que o painel se modifique e ganhe movimento com o passar da exposição, sendo registrado por Marta Emília.

Adornos que farão parte do painel interativo (Foto: Janayna Ávila)

Adornos que farão parte do painel interativo (Foto: Janayna Ávila)

Plastiche é a terceira exposição individual de Marta Emília, que já realizou Recortes, em 2006, na Galeria Sesc Maceió, e Marta Emília, na galeria Espaço Anémona, em 2011, na cidade do Porto, em Portugal.

SERVIÇO
O quê: Exposição Plastiche
Onde: Pinacoteca Universitária, Praça Sinimbú, s/n, Centro
Abertura: 21 de novembro, às 20h
Visitação: 21 de novembro de 2013 a 17 de janeiro de 2014
Entrada gratuita

Compartilhe

Posts Relacionados

Responder

Seu e-mail não vai ser publicado. Required fields are marked *